pílulas de absurdol #28

Não dá pra dizer que o Estado de direito brasileiro “acabou”, como tantos têm dito, pq na real ele nem começou.

Pra quem não pode contratar serviços advocatícios de sete (ou mais) dígitos, o Estado de direito brasileiro é, desde sempre, isso aí: um cidadão preso por PORTE DE PINHO SOL sendo condenado a ONZE ANOS de cadeia com base na palavra dos PMs que o prenderam.

Vamos falar de crime de responsabilidade?

pílulas de absurdol #25

Pra não dizer que os protestos populares contra os pacotes de Sartori não tiveram efeito sobre a Assembleia Legislativa, observo que o Parlamento investiu num aparato pra dificultar o acesso de pessoas ao prédio: uma pesada porta giratória, catracas e necessidade de cadastro de visitantes na portaria.

pílulas de absurdol #26

Servidores são atacados com bombas pela Polícia Militar de Sartori em Cachoeirinha.

Como a imprensa da Província noticia o caso? “Servidores e BM entram em confronto”.

Conceito de “entrar em confronto” com que os jornais trabalham: policiais treinados, com pistolas na cintura, vestindo colete e capacete e portando escudos disparam bombas contra pessoas de tênis, calça jeans e camiseta, desarmadas. E, se um ou outro revida, é derrubando um gradil ou juntando no chão uma pedra para jogar.

P.S: Como a imprensa também gosta de trabalhar com noções de comparação, sigo aguardando matéria mostrando quantos professores poderiam ser pagos em dia com a grana preta que Sartori e Schirmer gastam em armamento para uso exclusivo contra manifestantes.

pílulas de absurdol 24

Quando tu é a favor da desmilitarização da PM e te dizem “Viu? Tu não queria o fim da polícia? Olha o Espírito Santo: é isso que tu quer”, não dá vontade de argumentar, não dá vontade de nada além de ficar em posição fetal num quarto escuro, torcendo para que o asteroide não demore.

pílulas de absurdol #23

O dia de hoje é bem representativo do quão danosa é a bolha do Facebook para nossa percepção do mundo.

A julgar pelo que aparece na minha timeline, o Rio Grande inteiro está revoltado e escandalizado com a barbaridade operada por Sartori e sua base nesta madrugada.

Mas, como bem sabemos e como bem descreveu o Adriano Barcelos em um post, é justamente o contrário: a maioria dos gaúchos está a favor, ou nem sabe de que se trata.

A sociedade não é a nossa timeline do Facebook; a sociedade é aquele grupo de tios que ficam perto da churrasqueira da casa da nossa vó dizendo merda toda manhã de domingo.

O Facebook distorce tudo.

pílulas de absurdol #21

genial e maquiavélico, o ardil do governo sartori consiste em colocar no pacote mais cortes do que os que realmente serão feitos. quais fundações serão realmente fechadas? quais rubricas serão limadas do orçamento? vai depender da força de cada movimento de resistência, do poder de articulação e barganha de cada segmento ameaçado.

assim, o governo usa os corporativismos a seu favor: joga um cobertor curto a um grupo de pessoas morrendo de frio e as faz se matarem pra ver quem ficará de fora.

a única saída benéfica para todos seria não dividir as frentes de luta, recusar o cobertor curto e fazer sartori entregar os edredons que tem escondidos no armário (por exemplo, das marcas Diárias Para Secretários & Deputados Fazerem Turismo, Auxílio-Moradia Para Juiz – com camada extra de proteção -, CCs Supérfluos, Verba de Publicidade).

uma frente unida assim será possível?