Gestor

Caímos, os críticos de Doria, na ilusão de contrapor seu discurso e marketing de “gestor” com sua prática de violador de direitos civis e comandante de atrocidades como as da última semana.

Mas isso é um erro nosso: não há dicotomia alguma. Para a base social de Doria, o que se espera de um gestor é justamente que esteja disposto a revogar liberdades individuais, roubar cobertor de mendigo e derrubar um prédio com gente dentro – desde que seja gente que eles não considerem gente. O ~gestor~ ideal é um monstro assim mesmo.

Anúncios

gauchadas

As estações do ano no RS são explicadas pelas perguntas que o vivente se faz de manhã antes de sair de casa.

Temos: “Será que é real aquela história de que andar nu dá cadeia?”, que vai de novembro a março, “Será que o meu jeito de caminhar vai denunciar que estou com três calças?”, entre julho e agosto, e agora estamos na estação “Devo sair só de camiseta ou com traje completo de exploração do Ártico?”