Large Hadron Collider: a Máquina do Juízo Final

Agora é oficial: os Quatro Cavaleiros do Apocalipse chamam-se Atlas, Alice, LHCb e CMS. Esses são os nomes dos artefatos que compõem o LHC (Large Hadron Collider, ou Grande Colisor de Hádrons), o maior acelerador de partículas do mundo, uma engenhoca de US$ 8 bilhões que uns cientistas malucos do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em francês) construíram no meio da Europa e pretendem ligar em breve.

Outros cientistas um pouco mais malucos afirmam que, se acionado, o LHC pode criar um pequeno buraco negro capaz de tragar a Terra inteira ou, na melhor das hipóteses, provocar uma explosão forte o bastante para nos mandar a todos pelos ares.

Os técnicos envolvidos no projeto redargüem que isso é tudo balela catastrofista e que as chances de a super-máquina gerar um cataclisma planetário são de 1 em 50 milhões — mais ou menos a mesma improbabilidade que é derrotada toda vez que alguém ganha na loteria.

Um acelerador como o LHC é basicamente um autorama para partículas subatômicas. Os cientistas vão usar o gigantesco brinquedo para fazer com que dois prótons percorram a “pista” em sentidos opostos, chegando muito perto da velocidade da luz, até se chocarem e gerarem muita, mas muita energia, além de se quebrarem em pedacinhos menores. Divertido, não?

Com a colisão, os milhares de pesquisadores empenhados na brincadeira pretendem verificar a possível existência do Bóson de Higgs (a partícula hipotética que seria a chave para entendermos a matéria), estudar algumas outras partículas e, mais que tudo, querem criar condições semelhantes àquelas geradas imediatamente após o Big Bang, para aprender um pouco mais sobre a origem do universo.

E é aqui que nós podemos começar a chamá-los de malucos.

Ora, o Big Bang teria sido a explosão de um ponto de tamanho infinitesimal, e essa detonação foi tão descomunal que seus ecos podem ser “ouvidos” mesmo depois de 15 bilhões de anos.

Qualquer um sabe que, se existisse “espaço” no momento exato do Big Bang original, nenhuma pessoa dotada de um mínimo de juízo gostaria de estar nas imediações do evento depois de apertado o botão. E falamos em “imediações” no sentido cósmico do termo, ou seja, alguns bilhões de quilômetros. E eles querem fazer algo parecido logo ali, na Europa.

Temos algum tempo antes que o LHC (que será ligado para testes nesta semana) seja acionado pra valer e provoque a colisão possivelmente fatídica. E, nesse ínterim, eu poderia dizer aos cientistas do Cern como surgiu o nosso universo, se eles viessem me perguntar (o que pouparia um bocado de dinheiro e preocupação):

Tudo começou há muito tempo, numa outra dimensão, onde vivia uma civilização pretensamente avançada cujos cientistas, por não terem nada muito útil para fazer, decidiram construir uma máquina que lhes revelasse as origens do universo. Quando o artefato foi ligado, ocorreu uma explosão tão poderosa que aniquilou aquele universo e deu origem a outro (o nosso). E essa é a história de tudo.

É claro que é bem mais provável (cerca de 50 milhões de vezes mais provável) que eu esteja enganado, que tudo transcorra bem e que os homens continuem vivendo e se matando alegremente depois do teste do LHC. Mas sempre é bom lembrar que, se as pessoas realmente levassem em conta a lei das probabilidades, ninguém apostaria na Mega Sena.

Anúncios

9 comentários em “Large Hadron Collider: a Máquina do Juízo Final”

  1. A probabilidade de se ganhar na Mega Sena é a mesma de acabar o mundo! E tu já pensou o quanto esse experimento vai influenciar a economia global? Não seria tudo isso uma jogada de marketing de guerrilha da Caixa Federal para alavancar as vendas de bilhetes, dado o crescente aumento da inflação e o conseqüente freio no consumo das classes predominantes da população brasileira? Fica a indagação: não estaria o governo Lula por trás da Máquina do Juízo Final? E o churrasquinho, como fica depois do Big Bang?

  2. Depois do big bang, o que não vai faltar será carne tostada… mas por poucos nanossegundos, pois depois não haverá mais carne…

  3. Prezada espécie ameaçada de extinção,

    acredito que os brasileiros já deveriam ter feito uma marchinha de carnaval para o grande colisor. É um ritmo amigável, que poderia nos distrair até o momento derradeiro.

    Representando os ideais culturais do meu país, tomei a liberdade de compor um esboço do que pode ser o próximo hino do fim do mundo.

    Está no seguinte endereço:
    http://queridobunker.wordpress.com/

    Peço sua contribuição para melhorar essa letra.
    Seja rápido, que nunca se sabe.

    um abraço cheio de suingue,
    márcio

  4. Meus caros internautas…Jesus está voltando, pois o apocalípse previsto dos finais dos tempos chegou junto com essa “brincadeira” no espaço. Enquanto o homem brinca de ser deus, Deus cumpre suas promessas de resgatar os seus para a eternidade! E a trombeta vai soar clara e nitidamente para anunciar o arrebatamento da Igreja do Senhor! Maranata! Maranata! Maranata! atentemos para Deus enquanto é tempo, enquanto se pode acha-lo! Invocai-o enquanto está perto! Deixe o perverso o seu mal caminho e converta-se ao Senhor que é rico em misericórdia e perdão! Deus é amor!

    Um abraço!

  5. Vocês são é loucos um pior que o outro, e o cara que escreveu essa matéria entende nada de assunto nenhum, ooo Gabriel ele tava falando de uma maquina científica e você vem fala uma asneira daquela de economia, uma coisa não se liga a outra, o que tem ave uma MAQUINA CIENTÍFICA NA EUROPA tem ave com o povo brasileiro que só quer saber de Carnaval Funk e Pagode e demais MERDAS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s